24/11/2007

Eu abro os livros e encontro respostas,
Eu invento todo um futuro convincente e traço planos,
Mas essa bagunça de casa nova não parece ter fim...
Quando vou terminar de esvaziar as caixas?
Ainda não consegui arrumar um terço do que me propuz...
Mais fácil acender um cigarro,
Ler um livro,
Crer no tempo,
Pegar no sono e empurrar a vida pra mais tarde...
Os planos são sempre os mesmos:
Transformar minha alma em lar;
Decorar as paredes com o passado,
Abrir portas e janelas,
Sentir-me segura.

Fabiana Motta

8 comentários:

Ciro disse...

Parece muito com coisas antigas minhas. Bem legal e sincero. Solar.

Ciro disse...

E foi bacana o encontro ontem, não? Conseguimos seguir tranquilos o programa, hehe

Fabi disse...

Foi bem legal, a gente até leu mais poemas que o programado...

mateus trabelo disse...

massa!!
modesto o comentario do I. Ciro, naum?
Fabi, a referencia ao 'terço' è de ordem mitica-religiosa?

Bob disse...

Heheheheh... na verdade não foi falta de modéstia... é que as minhas coisas antigas tinham uma orientação parecida com essa que a fabiana usa nesse blog. Não foi uma coisa qualitativa, mas formal, hehehe

O dela é melhor, com certeza...

Bob disse...

Ops...disse "nesse blog": quis dizer "nesse poema"....

Fabi disse...

Não é de ordem religiosa não, é por eu não ter arrumado quaase nada, rs...

Pequena disse...

Gostei.
E adorei o encontro tb!