03/10/2007

posto também:
;)
beijos nas bocas.


flores, as mais belas

se a vida, camarada,
fustiga nossa dança,
e tudo é um balé
de sentimentos...

na falta de esperança,
sou teu pressentimento,
sou fé inteira
ao pé do teu ouvido.

pelas ruas da lamúria,
num sopro com leveza,
te enrosco na infinda
seda dos destinos.

encalço os teus passos,
te guardo do perigo
na fina teia do meu vestido.

se as esquinas se curvam
nuas de incertezas,
te aponto, maculo,
um vasto vale de delicadezas.

teu rumo está contigo,
tua guia, comigo:
são flores (as mais belas flores)
que plantaste
em meu umbigo.

fernanda barreto

2 comentários:

Ciro disse...

Esse poema é novo, Fernanda? Porque, ao lê-lo, tive aquela sensação de quando se compra um disco novo de um grupo de que se gosta muito: no início, estranha-se, mas depois reconhece-se a poética, o esforço em trazer à tona algo mais daquele código que foi decifrado em poemas anteriores, sem perder o estilo pessoal, que custa tanto para se conseguir... Enfim, todo o processo complicado que envolve o novo, sempre no limiar entre a repetição e a ruptura. Gostei, depois de ler muitas vezes.

Desilusão + enfrentamento da desilusão = otimismo agridoce... :P

Fabi disse...

Uau!
"te guardo do perigo
na fina teia do meu vestido."
A poesia inteira é linda, o teu estilo de escrever é muito bonito.Esse trecho em particular é precioso.
Lindo...