05/10/2010

Escrever um poema

escrever um poema é deixar-se prender
entre dentes cegos de fome
mergulhar em uma surdez plena onde algo se ouve
encontrar a multidão de viúvas que nos criou
sentir a distância do sol
no segundo ponto mais escuro da noite

escrever um poema é assobiar as idéias
e esperar:
a paciência pariu todas as virtudes do mundo

escrever um poema é ficar em suspenso
com um jeitão de nuvem
(fazer nada por um bom tempo)

mas isso não significa que o poema surge do nada
(surge de tudo)

6 comentários:

Fabi disse...

Essa sua visão sobre o surgimento do poema é muito próxima da minha, acho que nunca consegui expressar em palavras de forma tão clara quanto vc.Lindo Eiliko! Já te disse que sou tua fã? Pois é, sou!
Muito bom!

Raíssa Abreu disse...

O poeta é, assim, um pai. E só se permite que seu TUDO seja dado à luz.
Lindo demais.

Anna K. Lacerda disse...

Me fez lembrar um dos meus poemas preferidos, BARULHO (Ferreira Gullar):

Todo poema é feito de ar
apenas:
a mão do poeta
não rasga a madeira
não fere
o metal
a pedra
não tinge de azul
os dedos
quando escreve manhã
ou brisa
ou blusa
de mulher.

O poema
é sem matéria palpável
tudo
o que há nele
é barulho
quando rumoreja
ao sopro da leitura.

Léo Tavares disse...

descreveu perfeita e poeticamente (como tem de ser) o processo da escrita, eiliko. muito bonito.

Anônimo disse...

bom é só meu processo, é claro. rs abraços a todos! Eiliko

Ciro disse...

Apesar de enquadrar numa moldura chavão ("amar é:"), esse poema do eiliko tem muita força mesmo.