17/12/2008

Oh! Que estúpido fui!

Quebrei minha panelinha literária
no dia em que nasci.
Voaram cacas, caquinhos e cagões
fedendo como nunca vi.

Desde então sou poeta solitário
corajoso, forte e temerário
orgulhoso pra caralho
mas no borralho.

Quem me empresta nova panelinha?
Quero que me puxem o saco.
Exijo ser chamado gênio.
Preciso cagar regras.

Ai que saudades de uma cagadinha
na minha literária panelinha.

Sebastião Nunes

6 comentários:

Anônimo disse...

Quem é Sebastião Nunes? "Panelinha literária?" Poema bem ruim esse, hem? Bela cagada orgulhosa.

Ciro disse...

Isso foi uma provocação à nossa modestíssima panela? What the fuck?

Anônimo disse...

puxa, que cagada hein

Anônimo disse...

puxa, que cagada hein

Anônimo disse...

puxa, que cagada hein

Anônimo disse...

puxa, que cagada hein