24/11/2008

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>prAdeilton Lima

enquanto cacos
obeliscos estátuas
resto de toscos tocos
se engalfinham pralguns
num mar de escombros

inflo

a vela a lona
o estranhamento do medo
das rotinas embalsamadas
das máscaras incorporadas
das personas despercebidas
dos desejos recalcados

explodo

em meu corpo
exposto
um verso
granadas regos e cascatas
.
.
.

2 comentários:

Teatro em transe disse...

Poxa, Mateus! Muito obrigado! Leio esse texto num momento preciso! Valeu! Abração!

Fabi disse...

Lindo Mateus!